domingo, 24 de junho de 2007












Esse sentimento cansado
Intrínseco.
Trancafiado em minhas veias.
As dores simuladas
Cadeias infinitas
Entrelaçam-se em fios de pesares.

Malditos sejam esses fios de cabelo.
Magia desesperada
Calada em todas as mil gavetas.
E essas pétalas envolvidas.
Essa estadia em tua casa.
Pensando, querendo, lembrando.
(mais uma vez).

E o Deus Tempo.
Transbordando-me em angustias
(menina de peixes não quer esperar).
Nesta carroça lenta.
Neste curso lamurioso
Enquanto despedaço inteira sua fotografia.

Que agosto azedo esse julho me traz.

8 comentários:

bibian disse...

Só posso dizer que ficou linda a forma como vc descreve alguns sentimentos. Como esse passar do tempo pode castigar e, pode tb trazer alivio.

parabéns d novo #)~

Xadai disse...

Além de ler minha mente você (assustadoramente) entende :P
Magnífico. Até se for coincidência, foi uma coincidência magnífica. Fiquei meio sem palavras...

Um sentimento de altruísmo me bateu pensando q esse seu texto seria algo que o mundo não poderia perder, mais um outro sentimento de "posse" me disse que é melhor assim :P

Beijos Querida

Anônimo disse...

muitas dores nao sao curadas e viram marcas.
TeE, beijao enorme do Elfo
just your.

Sogetsu disse...

Não sou nenhum flamingo rosado mas gostei do teu poeminha, minha querida. Você escreve coisas bonitas, me diga coisas bonitas também! :3
Hahahaa.

Lobo Maya disse...

você vai escrever um livro ne?
você escreve muito bem obrigado
:)
pelo que esta escrito, você não esta bem, se quiser falar estou aqui pra ouvir e ver se consigo ajudar em alguma coisa ta
:)
beijos

eu disse...

eu pensei , quis e lembrei (mais de uma vez)rs

Eron disse...

Muito bom, Tee. =***

Lu disse...

Foto encantadora ;~ Estas rosas me lembrou Beleza Americana :D Esse ano tá muito ácido :/