sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Tô de Saco Cheio


Tô de saco cheio de fazer nada, de vir trabalhar, de ficar em casa, de perder, de ir pra faculdade, de não estudar (mas precisar), de não ter perspectiva, de olhar pro espelho e achar uma merda mas mesmo assim não fazer nada a respeito.

Tô de saco cheio dessa fase interminável, da indefinição, das repetições, da incapacidade de get over it, da impossibilidade de esquecer, de maquinar coisas absurdas e baixas, de pensar em coisas terríveis e sentir na pele, da inveja, do ciúme, da desconfiança.

Tô de saco cheio de gente inteligente demais, conhecedora demais, terapeuta demais.

Tô de saco cheio de filme cult demais, de viado demais, da chatice que é ter que aceitar tudo, de não poder criticar ou ver gente criticando filme com temática homossexual porque "isso é preconceito", quando na verdade grande parte dos defensores de viados e afins, quer enfiar goela abaixo um monte de sacanagem bizarra e chamar de amor. De saco cheio do bissexualismo e sua promessa de "sexo do futuro", porque "gostar de pênis e vagina é ser completo". Cansada de heterossexuais que pensam com o pau e a buceta, porque um pertence apenas ao outro. Cansada de todas as categorias sexuais

De saco cheio da incapacidade de perceber que se partiu pra violência e se fez tudo errado. De saco cheio das pessoas que se consideram as excluídas da classe, as coitadas, as sofredoras. Acho boring pra caralho, bring something new, okay? De saco cheio de visuais adotados, da seguinte frase "não me rotule que eu não produto" e do quanto ela é dita com tanto orgulho e paixão. Você não é único, você não é invencível. Você é sim um produto. Produto de uma sociedade decadente, repetitiva e selvagem.

Tô de saco cheio do peito apertado, dos sorrisos falsos, dos choros forçados, das vozes, das musicas chatas, de não poder me libertar do mundo, de ter que aceitar o sistema, de me sentir mastigada e meus restos estarem entre os dentes dos monstros da sociedade.

Tô de saco cheio de olhar minha página no We Heart It, perceber que I heart everything there, mas nunca serei nada daquilo (nem que eu me esforce). De saco cheio das belas ruivas enigmáticas, dos bolos cobertos de nutella, dos graciosos cupcakes que nunca irei provar, dos brilhinhos e balões, das fotos perfeitas. Tudo porque não vou conseguir reproduzir ou criar nada daquilo, e isso enche e desbota o indivíduo.

Tô de saco cheio de não entender ou não me forçar a entender o que acontece comigo. De saco cheio das minhas variações de humor, da pulseira do equilíbrio, das jóias que não tenho, do desinteresse pela escrita, leitura, filme e informação. De saco cheio, aliás, de quem só chama cinema de sétima arte.

De saco cheio de desabafos, gordos chorosos e magros orgulhosos (e vice-versa). De pessoas que pensam que cortar um pedaço generoso do estômago é a solução. De saco cheio de calorias, viagens, imagens e pessoas super hiper felizes. De saco cheio de tudo, e da aplicação sem sucesso de everybody's talkin' at me, I don't hear a word they're sayin', only the echoes of my mind.

De saco cheio de mim, de você, deles. Sobretudo deles. De não saber terminar isso, ou melhor, de não ter certeza. De sentir que após a última palavra, ainda faltará um pedaço a ser celebrado. De perceber que isso nem sequer pode justamente terminar. Que nada poderá ser feito. Jamais.

E de saber que eu tô de saco cheio.

8 comentários:

mariana_g disse...

fico aliviada por saber que a inquietude, por pior que seja, é mil vezes melhor que a apatia.

Rafywsk disse...

Seu raciocínio interfere no meu positivamente, meu amor. Um dia desses imaginei a loteria e meus 85 milhões. Imaginei te arrastando continentes afora para sermos bonitos comedores de cupcakes, em nossas fotos perfeitinhas tiradas por câmeras Cannon de lentes abissais com 85mm. Acho que toda essa encheção de saco tem a ver com o dinheiro. Sempre tem. Porque não temos o suficiente para alcançarmos o que queremos. E o suficiente é muito em nosso caso, já que somos passivo-ambiciosos e queremos mais do que podemos, fazendo com que assistamos todos os viadinhos felizes e milionários na tevê à cabo. Os mesmos viadinhos que levantam o estandarte a favor da "minoria" mas são os mesmos que esculacham a empregada Maria (negra, mulher, e com uma paixão secreta por Rosicleide), porque ela trouxe ovo mexido ao invés de estrelado. O ser humanos é uma bosta porque finge que ajuda e tem peninha. Tudo é uma bosta porque finge que é pra gente, mas na verdade é pelo nosso dinheiro - todo mundo pensa que a Submarino faz barato porque é generosa, por exemplo, mas ninguém vê o prejuízo de milhões de R$ da reforma ortográfica em cima deles.
Enquanto você tá de saco cheio, amor, a frase que eu mais tô usando é a "vê se eu tô ligando". Como você mesma disse, é tudo muito boring. Então deixemos tudo boring de lado (não quer dizer que deixemos TUDO de lado) e vamos jogar pão velho aos peixes; animais que simplesmente abocanham porque caiu perto deles, mesmo que custe a vida numa isca de pesca.

Louise disse...

Eu nem me atrevo a listar todas as coisas que estou de saco cheio, sei que não terminaria hoje, porém irei sintetizar em uma só frase: "estou de saco cheio do estado em que minha vida se encontra". E quanto mais eu penso nisso, mais eu detesto esta looonga e insuportável fase chamada Juventude.

Zeppelin disse...

Não é ser inquieto ou passivo, precisar de dinheiro ou ser quebrado, ou de estar de saco cheio, ou não. Não é estar feliz, ou infeliz. E sabe o pior? Nada vai te confortar. Você vai ter que passar por tudo isso. Só o sofrimento educa. Boa sorte. Conte com quem você acha que deve. Estamos todos aqui.

Anônimo disse...

Não fique de saco cheio titi , porque um dia ele estoura e você vai ter que enche-lo de novo , porque a vida é assim ,se não, que graça teria se a vida não tivesse saquinhos para encher?Agora uma coisa que enche meu saco é a falta de educação(doméstica e falta de "raciocínio") do ser humano.

Anônimo disse...

faça como a xuxa , tô de bem com a vida ...tô feliz com tudo/mundo ...sei lá...o melhor é cantarkkkkkkkkkkk





ps:adorei seu texto

Nelson L. Rodrigues disse...

psicanálise ajuda.rs

bjs

Nelson L. Rodrigues disse...

ótimo 2011!

http://filocinetica.blogspot.com/